Moda de Negona

18 de set de 2018

Os Panteras Negras - vanguardas da revolução: um documentário necessário e importante!

Salve salve, negada bacana desse Braseeel. Como vocês estão? Os tempos não estão fáceis e até outubro, os ânimos seguirão acirrados. Debates políticos e posicionamentos polêmicos, atitudes lamentáveis de quem não conhece a própria história e beira cometer os mesmos erros do passado. E é justamente sobre conhecer a história que hoje quero indicar um documentário importante: OS PANTERAS NEGRAS -VANGUARDAS DA REVOLUÇÃO.


Neste documentário é possível conhecer a história de um dos mais importantes grupos antirracistas do mundo. São quase 2 duas de uma narrativa inspiradora e necessária em tempos que a gente se encontra descontente com tantas atrocidades acontecendo - principalmente com a comunidade negra e demais grupos marginalizados. 

Quem foram os Panteras Negras? 


Formado nos anos 1960, os Panteras Negras eram um grupo que tinha como objetivo garantir os direitos da população negra. Assim como as panteras, o intuito do grupo não era atacar e sim, defender a comunidade negra das ações truculentas da polícia assim como garantir a sobrevivência destas pessoas. O crescimento nos anos 1960 e 1970 fez com que se o grupo se tornasse um partido, o Partido Pantera Negra (ou em inglês Black Panther Party - BPP). 



Para se ter uma ideia do crescimento do Partido Pantera Negra, além dos Estados Unidos, eles também tiveram sedes no Reino Unido e também na Argélia. Além do patrulhamento dos bairros das comunidades negras, o Partido Pantera Negra também promovia ações sociais - como distribuição de café da manhã e acesso a educação. 



O crescimento dos Panteras Negras resultou em uma articulada ação do FBI para que o grupo fosse exterminado. Até o fim do BPP, houveram inúmeros confrontos com policiais que resultaram em prisões e mortes de membros do BPP. 

Porque é importante assistir OS PANTERAS NEGRAS - VANGUARDAS DA REVOLUÇÃO


Para mim, foi muito importante ver como a luta antirracista atua bem antes que eu nascesse. Para quem se encontra com medo de se posicionar politicamente, este documentário mostra o quanto é fundamental se posicionar em meio ao caos político e social que nos encontramos. 


A ação dos BPP incomodou (e muito!) o sistema racista que rege os Estados Unidos. E é isso que temos que ter ciência: nosso empoderamento, nossa articulação enquanto comunidade e povo incomoda as estruturas racistas. Sem incômodo não há revolução. Não há transformação. Mas, para que a transformação aconteça, nosso posicionamento é importante, defender os nossos começa a partir disso. Nessas eleições, votemos em candidatos que nos representem e que nos defendam. Elejam candidatos e candidatas negras. Avaliem as propostas dos candidatos. Tempos como estes em que vivemos exigem posicionamento, exigem luta, exigem resistência. 



E você, já assistiu esse documentário? O que achou dele? Conte aqui nos comentários!

Até mais!

AnaLu Oliveira
@modadenegona

17 de set de 2018

Apps para quem quer viajar sozinha sem se perder

Salve salve, negada bacana! Como vai a vida? Setembro está uma loucura por aqui e por isso, ficou um pouco complicado escrever por aqui. Mas, quero dar prosseguimento no tema viagem por dois motivos: 

1 - Porque faz muito bem (e você pode descobrir isso nesse post aqui ó)

2 - Porque ainda tem algumas coisas que eu quero compartilhar com vocês sobre isso



Pra muita gente, a ideia de viajar sozinha causa medo por diversos fatores. Um deles é sobre a locomoção em um lugar totalmente desconhecido. Como chegar nos pontos turísticos? Como voltar para o local da hospedagem? Como funciona o transporte público? São em horas assim que podemos contar com a lindona da tecnologia para que a gente ande com mais tranquilidade por aí. Se liga nos apps para te ajudar a transitar sem medo de ser feliz.


1 - Moovit




Esse app foi meu brother na viagem para o Rio de Janeiro. Disponível para iOS e Android, o Moovit tem uma interface bacana e sua configuração te coloca a par dos horários dos ônibus e metrôs. Ele também te mostra os pontos pelos quais você passará e te dará um alerta quando for a sua hora de desembarcar. O Moovit permite que você se organize com maior antecedência pois ele te mostra os horários e o mapa do trajeto que você pretende fazer. Por exemplo: eu fui na QueerMuseu - que fica no Parque Lage. Eu saí da Tijuca e para saber que horas eu precisaria sair para estar no Parque Lage, eu usei o Moovit para ver quais horários dos ônibus - e quais ônibus passam por lá - e o tempo do meu deslocamento. Outro rolê que foi muito tranquilo de se fazer só foi a minha ida para a Praia do Flamengo. O Moovit me mostrou que o melhor trajeto seria de metrô, me mostrou os pontos e me alertou a hora de descer. 

2 - Google Maps


Pode parecer um pouco óbvio indicar o Google Maps porque ele é bem conhecido e já está instalado em todos os celulares da Terra. Mas, acho que é uma dica válida para te ajudar a escolher onde ficar quando for viajar. Com o Google Maps você consegue calcular as distâncias entre seu local de hospedagem e os locais que você pretende conhecer. No Google Maps também é possível ver os trajetos mais rápidos e quais os melhores transportes para chegar mais rápido - pra quem vai alugar carro, essa é uma boa escolha. Pra quem quer fazer passeios de bike, o Google Maps também é indicado. E com o Google Street View, é possível conhecer um pouco do lugar antes mesmo de estar lá. 

Talvez você deve tá aí pensando "Ah, mas qualquer coisa é só chamar o Uber". Antes de viajar confiando somente nesses apps como Uber e Cabify, é importante lembrar algumas coisas:

- Nem todas as cidades tem os serviços desses apps disponíveis. Cabify, por exemplo, não tem aqui no meu país Goiânia. 

- O valor do serviço pode ser beeem mais caro na sua cidade de origem e isso pode comprometer o seu orçamento disponível para a viagem. 

- Infelizmente, ainda há o risco de algum motorista aproveitador tentar tirar vantagem do seu momento turista. No Rio, eu passei por isso quando cheguei. Chamei o Uber e a viagem que era pra ser 19 reais se tornou uma viagem de R$ 48,79. A alegação do motorista foi de que ele errou a entrada de um túnel e tals, mas não achei justo pagar esse valor e ele não me cobrou o excedente. É importante ficar de olho. 

E você, tem algum app para indicar? Já viajou sozinha? Qual app foi seu brother na viagem? Conta tuuudo aqui nos comentários!

Até mais e desde já, boa viagem!

AnaLu Oliveira
@modadenegona

28 de ago de 2018

Porque viajar sozinha faz tão bem?

Salve salve, negada linda do meu Braseeel. Tudo bem? Semana passada falei aqui sobre a Toda Grandona, uma festa incrível que rolou lá no Rio de Janeiro. Mas, hoje eu quero partilhar com vocês a minha experiência na viagem. Dias atrás fiz uma enquete no insta (segue lá @modadenegona) para saber quantas seguidoras tinham viajado sozinha. A maioria respondeu que nunca tinha viajado mas que tinha vontade. 


Eu curtindo a Praia do Flamengo 

Eu só viajei acompanhada uma única vez na vida e a minha viagem para o Rio foi a primeira que fiz exclusivamente para passear. Então, vocês já podem imaginar o quanto essa viagem foi importante para mim, não é? Ahhh, foi também a minha primeira vez na Cidade Maravilhosa. O Rio de Janeiro é uma cidade realmente linda, incrível, cheia de contrastes e de pessoas bonitas! 

Esse post é para te encorajar a viajar sozinha. Pra onde? Não sei! Mas, coloquei aqui ótimos motivos para que vocês comecem a planejar sua próxima viagem. Vamos lá?


1 - Viajar sozinha te coloca em contato com você mesma


Assim como falei no post sobre morar sozinha, esse é uma oportunidade para que você se conecte a você mesma. Para que você se perceba melhor, entenda suas emoções e até se redescubra. A mente fica livre e mais leve em situações como essa. 


2 - É possível criar roteiros interessantes e muito especiais


Eu não sou o tipo de turista que faz questão de ir em pontos turísticos. Prefiro conhecer a rotina da cidade, os bares, restaurantes, museus e baladas. No Rio, eu dei prioridade pra bater perna em shopping, feira, sanduicherias, praias (óbvio <3) e parque. Foi por ter feito essa escolha que pude conhecer a QueerMuseu, a feira na Sãns Pena, curti a Toda Grandona, comi excelentes sandubas e pizzas. Até a ida no Supermecado Guanabara foi um mega evento pra mim. 


Semana da Beleza no Guanabara

Eu já vi inúmeros vídeos das promoções do Guanabara e muitos influencers cariocas já fizeram stories por lá. Sempre tive curiosidade de ir lá e fui. Ameeeeei <3 Viajar sozinha te permite criar roteiros que façam sentido para você e mais ninguém. E tá tudo bem nisso! 


3 - Uma oportunidade ótima para conhecer novas pessoas


Viajar sozinha não significa ficar sozinha o tempo todo. A menos que isso seja uma escolha sua, solidão é o que menos se vê em viagens assim. É uma oportunidade muito bacana para conhecer outras pessoas e assim, fazer novas amizades. Ou até conhecer pessoas interessantes para romances e similares (porque não?). Se dê essa chance de expandir seu ciclo de amigos. 

4 - Voltar é sempre bom


Uma coisa que eu gosto muito nessa coisa de viajar sozinha é que eu me apaixono pelas cidades que conheço e fico louca para voltar pra casa e contar pra minha família tudo que eu vivi. Volto Felícia com os meus dogs e aperto todo mundo! Isso também contribui para fortalecer os laços com quem fica. Ter saudade de casa é bom, vai por mim. É uma saudade boa de sentir, sabe?


Por do sol na praia do Arpoador

E você, já viajou sozinha? Conte pra mim como foi essa experiência! Aproveite para compartilhar esse post com a sua amiga que tem vontade de viajar sozinha mas ainda não tem coragem. 

Abração pra vocês e desde já, boa viagem!

AnaLu Oliveira 
@modadenegona

22 de ago de 2018

Toda Grandona: a celebração do corpo livre

Salve salve, pessoas lindas! Tudo bem, meu Braseeel? Quem acompanha o MdN nos stories viu toda a minha jornada na maravilhosa Rio de Janeiro (e quem ainda não viu, corre lá nos Destaques! Tá tudo lá). Essa foi a primeira viagem que fiz a turismo e foi um presente que me dei depois de todo o caos que vivi no primeiro semestre. E foi uma viagem com incríveis coincidências. Uma delas foi a primeira edição da Toda Grandona


Foto: Maíra Barillo 

Meu povo, que festa PER FEI TA! Não consigo pensar em nenhum outro adjetivo que não seja esse. A Toda Grandona é uma festa organizada pelo coletivo body positve Casa Volume - criado pela Alexandra Gurgel, Caio Cal, Bernardo Boechat, Ju Rangel e Ricardo. Diferente de muitos lugares de lazer, a Toda Grandona é um ambiente onde todo mundo se sente bem porque não há espaço para preconceitos. Gordofóbicos, racistas, lgbtfóbicos, machistas não passam na Toda Grandona. 

Lá só vi pessoas felizes, dançando e se divertindo com amigos. Pessoas beijando seus crushs, rebolando a raba sem medo de ser julgada. E como foi estar ali com estas pessoas todas. E pra vocês verem que não é exagero, olha essas fotos da Toda Grandona e tirem suas próprias conclusões. 







Fotos: Maíra Barillo 
Acompanhe a Casa Volume nas redes sociais e veja a programação da Toda Grandona nas demais cidades. É uma festa que vale a pena ir sim! É muito bom que existam iniciativas como essa para que a gente viva o amor próprio. E viva isso com outras pessoas, de maneira descontraída e livre! Vida longa a Casa Volume. Vida longa a Toda Grandona. E é como diz aqueles versos cantados pelas minas do Rap Plus Size

"Respeita o corpo das minas
Revolução começa no ato de se aceitar
Ser gorda não é ruim e cês tem que respeitar
Não quero buxixo, só quero sarrar
Meu corpo é livre
ATURA OU SURTA"

Ahhhh, eu não poderia terminar este post dizendo quanto eu fiquei feliz por ter encontrado a Alexandra por lá. Uma simpatia de pisciana <3 Eu adoro o trabalho dela no Alexandrismos e foi difícil me controlar pra não dar uma de tiete raiz na festa


Parabéns pela festa, Casa Volume!
Que a Toda Grandona ganhe o país todo <3 

E você, conhece alguma festa body positive? Conta aqui pra mim!

Abração,

AnaLu Oliveira

25 de jul de 2018

25 de julho é o nosso dia: mulher negra latina e caribenha

Hoje é uma data de extrema importância para nós, mulheres negras. Dia 25 de julho é o dia que celebramos o Dia da Mulher Negra, Latina e Caribenha. Uma data para lembrar das nossas lutas, das nossas pautas e principalmente, comemorar as nossas vitórias. Numa sociedade racista,ter datas ligadas a negritude é um ato de resistência. Ter uma data ligada às questões das mulheres negras em uma sociedade racista e machista é resistência em dobro. Mas, você sabe qual é a origem desta data?


Como surgiu a data?

A data foi reconhecida pela ONU em 1992, ano em que um grupo de mulheres se reuniu para organizar o 1º Encontro das Mulheres Negras Latinas e Caribenhas, na República Dominicana. Neste encontro, as mulheres presentes debateram sobre formas de combater o racismo e machismo tão presente no nosso cotidiano. Desse encontro surgiu uma rede de apoio - ativa até os dias atuais - e o Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha. 

Embora o machismo vitime também as mulheres brancas, os dados comprovam que as mulheres negras são as maiores afetadas pelo machismo, pois ele vem de mãos dadas com o racismo. Para se ter uma ideia, o Atlas da Violência de 2016 aponta que os feminicídios de mulheres negras aumentou 54% entre 2003 e 2013. Já os casos de feminicídios de mulheres brancas caiu 10% no mesmo período. Outro dado que reforça a importância de datas como essa é que dos 25 países com maiores índices de feminicídio no mundo todo, 15 estão na América Latina e na região do Caribe. 

As disparidades salariais também são grandes. Mulheres recebem menos que os homens, isso é um fato. Porém, as mulheres brancas tem salários até 70% maior que o das mulheres negras. A maternidade tão romantizada para as mulheres brancas, para nós se apresenta como violência. Segundo dados da Fiocruz e do Ministério da Saúde, 65,4% das vítimas de violência obstétrica são mulheres negras. 53,6% dos casos de mortalidade materna são de mulheres negras. 

Além disso, é importante dizer que precisamos tirar nossas heroínas da invisibilidade. Ainda falamos pouco sobre Zumbi dos Palmares, mas não falamos de Dandara ou de Tereza de Benguela, por exemplo. Você sabe quem foram estas mulheres?


Quem foi Dandara dos Palmares?

dandara-dos-palmares



Muito mais que a esposa de Zumbi, Dandara foi uma mulher de luta. Liderou várias ações contra a escravidão de negros e negras no Brasil. Ações que envolviam a luta armada, importante dizer. Muitos historiadores apontam Dandara como uma mulher destemida e corajosa e que já questionava esses papéis de gênero impostos a mulheres. Em um dos confrontos, Dandara foi presa e para não voltar a condição de escrava, se matou em 1694.  

Quem foi Tereza de Benguela?


Tereza foi líder do quilombo de Quariterê - localizado no Vale do Guaporé, em Mato Grosso. Tereza assumiu a liderança do Quariterê após a morte de seu companheiro, conhecido como José Piolho. A liderança de Tereza merece destaque pois era similar ao que é o Parlamento hoje. Além disso, o Quariterê contava com um sistema de defesa e uma cadeia de produção voltada para o sustento do próprio quilombo. A causa da morte de Tereza ainda não é conhecida. As principais hipóteses são: suicídio, doença ou execução por soldados. 

25 de julho é o Dia Nacional de Tereza de Benguela, data sancionada pela presidenta Dilma Rousseff. 

Datas como essa reforçam a nossa unidade, além da importância de seguir lutando. Dar prosseguimento a luta de mulheres como Tereza e Dandara é fundamental. Hoje estamos melhores que elas estiveram, pois elas lutaram por nós. Lutemos por nós, pelas mulheres negras das futuras gerações. 

Compartilhe esse post em suas redes sociais e lembre-se: uma sobe e puxa a outra!

Até mais!

AnaLu Oliveira

2 de jul de 2018

Sobre morar sozinha: dicas e vantagens

Salve salve, negada bacana! Tudo certo por aí? Bora começar o mês de julho falando sobre algo bastante sério e importante: morar sozinha. Lá no insta, já falei sobre como é a minha rotina e sobre os impactos de morar só. Como tudo na vida, morar só tem seus prós e contras. Mas, os prós prevalecem. 



Para mim, essa realidade foi um verdadeiro desafio já que, diferente de muita gente, morar sozinha é fruto de uma separação. Além disso, eu sempre fugi de toda situação que me colocasse em contato comigo. Eu sempre confundi individualidade com solidão (mas isso é coisa que falarei depois). Se você tem vontade de morar sozinha, este post é para te dar o incentivo que você precisa para dar o primeiro passo rumo a casa própria. 



1 - Mudar não é tão simples quanto parece

Se você tem condições de comprar a sua casa através de financiamento, saiba que esse processo é bastante moroso. É preciso uma série de documentos, avaliações e pagamento de taxas. Se você vai alugar um imóvel com imobiliária também vai precisar de disposição para o processo. Normalmente é exigido fiadores, além da análise de crédito. Vale dizer também que não são todos os imóveis que aceitam presença de animais ou crianças. Os imóveis que aceitam animais costumam ser mais caros. Em contrapartida, imóveis que não aceitam animais são mais baratos pois incluem algumas contas no valor do aluguel (água, luz e internet, por exemplo). Uma dica é procurar imóveis que sejam alugados diretamente pelo proprietário. Isso agiliza o andamento do processo. Tenha em mente que você verá muitos imóveis até encontrar um que te atenda. Então, nada de moleza! 


2 - Busque referências

Não se mude para um lugar sem saber como ele é. Como é o transporte público da região? E o comércio? É um setor seguro? Se você tem animais,vale verificar também se há espaços para que os animais possam passear. Isso será importante para avaliar se o valor do aluguel/ financiamento é justo ou não. 



3 - Dias de luta, dias de glórias


Um dos memes mais comuns diz respeito às expectativas de quem quer morar sozinho. Se você quer ter um cantinho para chamar de seu precisa ter ciência de que haverão dias que bolacha murcha pode ser banquete, que pagar conta é um mal necessário (porque tem dias que você vai querer comprar algo mas a conta de luz vai te impedir de fazer isso). Mas vão ter dias que pedir uma comida gostosa pelo IFood e ficar de pijama (ou pelada) na sua sala assistindo sua série favorita será seu programa favorito, seu momento de glória. 


4 - Planejamento financeiro é importante (mais do que você imagina!)


Aprender a lidar com as próprias finanças é fundamental para quem deseja viver só. Se você for do tipo desatenta, use aplicativos para programar o pagamento das contas, para separar o dinheiro para rolês. Aprenda também a separar um dinheiro para eventuais emergências - como consertar uma descarga, vazamento de gás, compra de remédios. Aprenda a fazer listas na hora de fazer as compras do mês. Isso te ajudará a evitar itens supérfluos. Na hora de pagar suas contas, verifique as faturas para ter certeza do que você vai pagar. De olho nas datas de vencimento para evitar pagamento em duplicidade ou pagamento em atraso. 

5 - Decoração não é frescura, nem luxo


Tem uma música do Biquini Cavadão que fala "a minha casa é meu reino". Nada mais justo que seu reino tenha a sua cara, certo? Não é errado nem supérfluo querer e ter um cantinho bonito, estiloso. Com base no seu orçamento, invista em decoração. Acredite: não há nada mais aconchegante e revigorante que chegar em casa e ver que tudo ali te representa. Se você precisar de inspiração, o Pinterest pode ser um aliado nessa hora #FicaaDica

Agora, me conte: você pretende morar sozinha por agora? Já mora sozinha? Como é a sua experiência? Conte aqui nos comentários! 

Boa semana, negada!

AnaLu Oliveira
@modadenegona

27 de jun de 2018

Greenleaf: a série em que somos ricos e poderosos

Salve salve, negada bacana do meu Brasil varonil! Tudo certo por aí? Dias atrás comecei a ver uma série tão maravilhosa, tão incrível que preciso compartilhar com vocês as minhas impressões sobre essa produção: GREENLEAF.


A série está na Netflix e tem como produtora executiva ninguém mais ninguém menos que OPRAH WINFREY. Só por isso vocês já podem imaginar que é coisa boa que vem por aí, neah? 



A história da série se passa na Igreja Calvary e traz um debate de extrema importância: como as religiões cristãs lidam com problemas contemporâneos. Feminismo, questões LGBT, sexualidade na adolescência, aborto, abuso sexual são alguns dos temas abordados nessa série que tem duas temporadas disponíveis. Só por isso, Greenleaf já é uma boa pedida. 



Mas não é só a narrativa que faz de Greenleaf uma série fodástica! Assim como em Pantera Negra, o elenco de Greenleaf é majoritariamente negro. Em Greenleaf não somos coadjuvantes,tampouco marginais - como muitas produções audiovisuais insistem em nos retratar. 

Em Greenleaf, os negros são líderes religiosos, empresários, chefes de família. A negritude em Greenleaf anda em carros de luxo, tem mansões suntuosas, poder de compra. E isso não é algo tão inédito nas telas. No post sobre Apeshit, falei muito sobre a ascensão econômica e financeira da população negra (e seu respectivo incômodo). Diferente de outras séries e obras de ficção, a ascensão social e financeira das famílias negras não é uma questão ou algo tratado como um diferencial. Greenleaf traz negros e negras que são muito mais que vítimas de racismo ou pessoas em situação de vulnerabilidade. São pessoas que tem as suas vidas, seus trabalhos, suas questões internas, suas lutas diárias. Afinal, somos muito mais que militantes contra o racismo. É bom nos ver em outros locais fora da militância. 


Olha esse elenco! Só gente lindona!

Vale destacar que Greenleaf é muito envolvente e maratoná-la é algo imprescindível! E você, já assistiu essa série? O que achou? Conte aqui nos comentários. 

Até mais, negada!

AnaLu Oliveira